Leda e o Cisne

novembro 17, 2006 at 2:12 (Obra comentada)

Enquanto escrevia o Post sobre idealismo, fiz uma pesquisa em busca da obra “Leda e o cisne”, de Miquelângelo. Tive uma surpresa ao encontrar várias releituras a respeito da mesma obra, que retrata um conto da Mitologia. A seguir, o conto e as releituras que eu encontrei (passe o mouse por cima para verificar o autor).

Leda e o Cisne

Leda era uma jovem e bela princesa, recém-casada com Tíndaro, herdeiro do reino de Esparta. Gostava de deitar-se na relva, apreciando o canto dos pássaros e expunha seu corpo aos raios do sol, sob olhares indiscretos dos deuses.

Certa vez, Zeus ia a caminho da cidade de Tróia e encontrou Leda deitada seminua na relva e parou para contemplá-la de longe. Temendo assustá-la com sua figura gloriosa e resplandecente, Zeus converte-se em um cisne imenso e de bela plumagem para poder cortejar a princesa. O deus supremo temia também que, por ser a bela princesa recém-casada, provavelmente o repeliria.

Ao ver o belo cisne se aproximando, Leda senta-se e começa a observá-lo. Diante dos olhos da princesa, o cisne começa a mover suas belas plumas com grande excitação, movimenta seu corpo em uma dança de vai e vem que mostra seu desejo e soa sua voz delicada, emitindo sinais de atração e paixão. Leda estava fascinada e o cisne aproximou-se mais e começou a tocá-la e acariciá-la com suas plumas e seu longo pescoço.

Excitada, Leda deitou-se novamente na relva e aguardou que o cisne se deitasse sobre ela, e então se amaram.

Meses depois a princesa sente fortes dores e percebe que de seu ventre haviam saído dois ovos: do primeiro, nascem Castor e Helena, do segundo, Pólux e Clitemnestra. Porém Hera, irmã e esposa de Zeus, com ciúmes, persegue e proíbe Leda de viver no reino. Assim, Zeus compensa Leda, convertendo-a em deusa e reservando-lhe um espaço no céu, na forma de uma estrela na constelação de Cisne.

Os filhos de Leda e Zeus, Castor e Pólux, tornam-se grandes guerreiros e amigos inseparáveis. Porém Castor (que herdou a mortalidade humana) perde a vida em uma batalha e Pólux (que herdou a imortalidade divina) suplica a Zeus que devolva a vida do irmão. Comovido com esta demonstração de amor fraterno, Zeus propõe a Pólux dividir sua imortalidade, alternando com o irmão um dia de vida e um dia de morte.

Assim os irmãos passaram a viver e a morrer alternadamente e Zeus os homenageia com a constelação de Gêmeos, na qual não poderiam ser separados nem com a morte.

Rosário Andrade

Desconhecido Rosário Andrade

Trabalho escolar de desconhecido

Bartolomeo Ammanati

Corregio

Leonardo da Vinci

 

E finalmente, a tela que eu queria no início…

 

Michelângelo

Muito interessante encontrar diversas releituras da mesma obra, em várias épocas diferentes…

 

Link permanente 41 Comentários

Obra: Pietá (de Verugino)

novembro 13, 2006 at 1:07 (Obra comentada)

Pietá - Verugino

Esta é uma obra da Renascença. Eu gosto da Renascença porque ela veio após o período escuro da Idade Média, aonde não existia arte. O Renascimento chegou com força, com técnicas incríveis, muito diferentes das ilustrações toscas que eram feitas no período anterior.

Nessa obra de Verugino, podemos notar que a Religião, apesar de ter sido tirada do primeiro plano, ainda estava muito presente no dia-a-dia das pessoas. A luz é muito utilizada. Todo o quadro passa uma clareza sóbria e séria, de acordo com a cena representada. Ninguém olha para o espectador, cada um olha para um lado.

Os volumes são bem definidos, proporções bem determinadas, perspectiva impecável. Assim foi a Renascença.

Se comparado com o Século XIX, na minha opinião a
Renasença perde, porque a criatividade e a emoção eram muito melhor experessadas por pessoas como Monet e Klimt do que nas “fotos” do Renascimento, cenas estáticas que transmitiam a emoção da cena, e não do artista. Por outro lado, acho a técnica do Renascimento muito mais elaborada e racional. Também noto que todas as pessoas do quadro possuem expressões plásticas…

Logicamente essa é apenas uma das obras do Renascimento. Não posso caracterizar todo o período em uma única obra.

Link permanente 7 Comentários